Resenha O código Da Vinci - Dan Brown

Olá gente!

Hoje a resenha é sobre um best-seller, com 80 milhões de livros vendidos em todo o mundo desde o seu lançamento, " O código Da Vinci" se tornou um fenômeno literário.

O Código Da VinciUm assassinato dentro do Museu do Louvre, em Paris, traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo que foi protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo. A vítima é o respeitado curador do museu, Jacques Saunière, um dos líderes dessa antiga fraternidade, o Priorado de Sião, que já teve como membros Leonardo da Vinci, Victor Hugo e Isaac Newton. Momentos antes de morrer, Saunière consegue deixar uma mensagem cifrada na cena do crime que apenas sua neta, a criptógrafa francesa Sophie Neveu, e Robert Langdon, um famoso simbologista de Harvard, podem desvendar. Os dois transformam-se em suspeitos e em detetives enquanto percorrem as ruas de Paris e de Londres tentando decifrar um intricado quebra-cabeças que pode lhes revelar um segredo milenar que envolve a Igreja Católica. Apenas alguns passos à frente das autoridades e do perigoso assassino, Sophie e Robert vão à procura de pistas ocultas nas obras de Da Vinci e se debruçam sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental - da natureza do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal. Mesclando com perfeição os ingredientes de uma envolvente história de suspense com informações sobre obras de arte, documentos e rituais secretos, Dan Brown consagrou-se como um dos autores mais brilhantes da atualidade. "O Código da Vinci" prende o leitor da primeira à última página.


Título Original: The Da Vinci code           Editora: Arqueiro


                          ISBN: 8575421131                                  Ano: 2004
                         Páginas: 423                                         Tradutor: Celina Cavalcante Falck-Cook


Mais uma vez o livro de Dan Brown tem Robert Langdon  como personagem principal e peça chave para desvendar os mistérios da história. Robert está na França após uma palestra e é procurado e levado até o museu do Louvre . Chegando no museu o chefe de polícia leva Robert até uma área isolada e mostra que Jacques Sauniére foi assassinado.
 Robert então tenta decifrar os símbolos deixados junto ao corpo, que são identificados como símbolos da Deusa, uma estrela de cinco pontas, uma sequência de números, o homem está nu na posição do homem vitruviano, e a pista mais importante que põe Langdon como o principal suspeito, Saunière escrever PS: procure Robert Langdon.
 No meio da conversa de Langdon com o policial chega a criptografa Sophie Neveu dizendo ter descoberto o que significava a sequência de números e pede para Langdon ligar para sua secretária eletrônica porque lá tem uma mensagem da embaixada americana.
 Enquanto tudo isso acontece, temos a visão dos assassinos. Silas vai até a igreja de Saint-Suplice, acreditando ter encontrado a pedra chave da sociedade Priorado de Sião, que como diz a lenda fica sob o símbolo da rosa. Porém, Silas não encontra a pedra e quando a freira e vigilante da pedra tenta avisar aos guardiões ele a mata. 
 Os quatro guardiões da pedra chave estão mortos, temos o Opus dei correndo atrás para encontrá-la e muitos traidores dispostos á ajudar. Com Robert e Sophie correndo contra o tempo para encontrar a pedra e cumprir um pedido de Jaques Saunière, o livro é cheio de ação, mistérios e reviravoltas.

Eu gostei muito de Código Da Vinci, apesar de ter gostado mais de O símbolo Perdido. Achei que Robert não foi tão útil nesse livro como era nos outros, mas é justificável porque sua parceira de aventura era também muito inteligente. Os enigmas do livro são muito interessantes e na minha opinião, fizeram muito sentido, além de todas as conversas, explicações, formas de fuga, eu achei tudo muito interessante e criativo.

"-Meus amigos que são cristãos fervorosos acham que Cristo literalmente caminhou sobre as águas, literalmente transformou água em vinho e que realmente nasceu de uma virgem.
- É exatamente o que estou lhe dizendo - respondeu Langdon - a alegoria religiosa tornou-se parte do tecido da realidade. E viver nessa realidade ajuda milhares de pessoas a enfrentarem os desafios da vida e a serem melhores.
 - Só que a realidade na qual acreditam é falsa.
Langdon deixou escapar uma risadinha
 - Não é mais falsa do que uma criptógrafa matemática que acredita no número imaginário i porque este ajuda a decifrar códigos.
Sophie franziu o cenho.
- Golpe baixo, o seu.
- Qual foi mesmo sua pergunta? - indagou Langdon.
- Não consigo me lembrar.
Ele sorriu.
- Isso nunca falha.

 Agora a questão que criou tanta discussão e polêmica na época do lançamento, religião. Eu não achei o código Da Vinci nem um pouco ofensivo, tudo que é dito desde Maria Madalena até a história de demonização dos símbolos pela igreja são hipóteses e ficção, esse é um livro de ficção. Acredita que se você tem fé em alguma coisa, acredita naquilo plenamente, não vai ser um simples livro ficcional ou a opinião dos outros que vai mudar alguma coisa, existem muitas pessoas com as mais variadas opiniões religiosas e temos que ter a mente aberta para refletir, sobre o que você realmente pensa daquilo. 
 O livro cria uma corrida entre o Priorado de Sião e o Opus Dei, o primeiro é uma sociedade religiosa que acredita nos Símbolos da Deusa e nos enigmas de quadros , o que você não deve ter como religião, se essa é a visão deles, não é uma critica e sim a crença religiosa dos participantes da sociedade, já a segunda é o Opus Dei, um grupo radical da igreja católica que tenta manter o hiper tradicionalismo, e todo o sofrimento e filosofia é deles , o que também não faz da opinião deles a sua.
 Claro, que se você se sente incomodado com algo diferente da sua opinião não leia o código Da Vinci, por que todas essas questões realmente vão te incomodar, e eu não critico , tenho muitos amigos que não gostaram mesmo, mas se você é como eu que se interessa sobre essas sociedades e não se importa em ver a desconstrução de uma tradição, ou melhor tradições, sob seus olhos, eu indico O Código Da Vinci.

Sou totalmente imparcial em questões religiosas, por isso não estou criticando, isso foi só uma opinião e um alerta para você que não gosta, poderia te ofender o que diz no livro.

Eu adorei O Código Da Vinci, como disse no inicio prefiro O Símbolo Perdido, mas gostei muito mesmo, por um pouquinho não ganha cinco estrelas. Me digam o que vocês pensam sobre o livro.

BEIJOS.
AMY XO


4 comentários :

  1. Ainda não li o livro, /xatiada! E apesar de ser cristã, adorei o filme. As pessoas tem que ter a mente aberta para debater qualquer coisa e não querer sempre convencer a outra, sabe? Enfim, ótima resenha , Amy!

    Beijos,
    http://eppifania.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente Arianne , não vi o filme mais li o livro hahah. Obrigada

    ResponderExcluir
  3. Oi adorei sua resenha...demais mesmo...mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura, ou da saraiva, e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal Juliano. Já havia escutado algo sobre este livro, mas nunca tive curiosidade, assim que terminar de ler os dois livros que ainda não li do Dan ,procurarei por este.
      Obrigada por nos visitar, volte sempre. Bjos.

      Excluir